25 Março 2013

Extasiante


O desejo tornou-se ainda mais intenso nos últimos dias, à medida que se aproximava o dia e a hora de voltarmos a estar juntos. Jantámos há menos de uma semana e a noite que se seguiu foi muito quente e o envolvimento entre os 4 foi explosivo. Um novo jantar tinha tudo para ser igualmente hot.



Quando voltei a sentir o toque dele o meu coração disparou e o meu corpo deixou-se levar ainda mais pelo desejo. Bastou uma mão na minha coxa para sentir uma corrente eléctrica a descer pelo meu ventre e deixar-me completamente molhada.
Estávamos no restaurante e o Simão ficou sentado à minha frente e o Mikael ao meu lado.
O jantar foi decorrendo e o calor que sentia no meu ventre aumentava cada vez mais. As conversas, os olhares, as mãos a subir pelo joelho ao longo da minha coxa, deixaram-me completamente descontrolada. Do outro lado da mesa o ambiente era igualmente quente. O Simão e a Ana trocavam olhares e toques por baixo da mesa.
Acabámos de comer e, antes da sobremesa, levantei-me para ir ao quarto de banho. Quando estava a sair o Mikael abriu a porta e entrou para dentro do quarto de banho. Trancou a porta e puxou-me contra ele.
O desejo era tanto que não íamos conseguir esperar para sair do restaurante.
Beijou-me, apalpou-me o peito excitado e desceu com a outra mão pela meu rabo até chegar lá. Sorriu quando viu o quanto eu estava novamente molhada.
Sentou-me no lavatório, abriu o fecho das calças e colocou uma camisinha.
Entrou em mim devagar, ao mesmo tempo que me beijava e olhávamos um para o outro.
As nossas mãos percorriam os corpos um do outro e as nossas línguas, os nossos lábios saboreavam-se como um desejo louco. Senti.o entrar em mim uma e outra vez, e de cada vez que o fazia sentia-o mais e mais duro. Não consegui aguentar e vim-me em muito pouco tempo, enquanto ele tapava a minha boca com beijos, para que na sala não percebessem o que se passava ai dentro.
Entretanto, ele aumentou a intensidade, com as mão a agarrar as minhas nádegas. Sem deixarmos o lábios um do outro deixou-se levar...
tão bom.....




03 Abril 2011

"Na origem o ser humano é polígamo"


Desejos de variedade e de apimentar uma relação são os principais motivos que levam os casais a praticar o swing. "Com o passar dos anos existe na grande maioria dos casais um decréscimo da intensidade do desejo e da frequência da actividade sexual. O swing pode ser uma forma de reintroduzir alguma excitação numa relação que se tornou morna", considera o psicólogo Nuno Nodin. "Noutros casais, a prática do swing pode ser introduzida lo- go desde o início da relação, como opção de vida do casal, por exem-plo, pelo gosto de variar de parcei-ros no contexto, apesar do compromisso afectivo para com o parceiro."
Nuno Nodin percebe esta necessidade "Existe uma falácia clássica na nossa cultura e que é causa de muitos problemas relacionais: a de que amor e sexo são sinónimos ou que, pelo menos, deverão andar sempre associados. Não é verdade." Apesar de se ter uma relação estável, com amor, pode haver desejo sexual por outra pessoa.
"Na sua origem, o ser humano é polígamo", confirma a sexóloga Erika Morbeck. "Mas o modelo social vigente, muito influenciado pela moral judaico-cristã, é a monogamia. Foi uma imposição cultural e social que hoje em dia se tornou norma." No entanto, os swingers não são polígamos, não se apaixonam nem mantêm relações com diferentes pessoas. "O swing acontece especificamente entre casais. Neste meio predomina o modelo heterossexual masculino e o modelo bissexual feminino. Podem permitir mulheres sozinhas mas nunca, ou muito raramente, homens sozinhos. Geralmente é um meio muito homofóbico", diz a sexóloga.
Segundo o psicólogo, no contexto swinger, "aquilo que, feito às escondidas do parceiro poderia ser visto como traição, passa a ser não só permitido como incentivado e acordado entre ambos". E acrescenta "O tradicional conceito de infidelidade prende-se com a quebra de confiança no parceiro. Na verdade, no caso do swing essa confiança não é quebrada porque há um consentimento mútuo para o envolvimento sexual com outras pessoas, dentro de regras que são estabelecidas pelo casal."
Nuno Nodin considera que uma experiência deste tipo pode "aumentar o desejo sexual pelo parceiro, aumentando a confiança e cimentando a relação". Segundo a experiência de Erika Morbeck, "quando se troca de casal, a pessoa sente-se desejada por outro que não o seu parceiro. Isso aumenta a auto-estima e a excitação." Mas a sexóloga sublinha que "é preciso que o casal esteja preparado" "Ver o parceiro com outro pode ser perigoso. Se a relação já estiver fragilizada, não é o swing que a vai salvar, podendo mesmo levar à ruptura."
"A tendência é para que estes comportamentos sejam cada vez mais banalizados", afirma Erika Morbeck. A sociedade aprendeu a aceitar os homossexuais e os bissexuais e cada vez mais se questiona a ideia de "casal tradicional". "Quem sabe se no futuro o swinger se tornará a norma social?"
@ http://www.dn.pt

23 Março 2011

apetece-me....

Os dias estão mais quentes e este calor desperta em mim ainda mais desejo....
Tenho vontade de sentir aqueles braços, aquele calor, aqueles beijos
Quero que percorra as curvas do meu corpo com aquelas mãos fortes.... quero que me tire a roupa e saboreie o meu peito rijo..... quero que sinta as minhas coxas quente e latejantes.... e que entre em mim... uma e outra vez até não podermos mais...


hummmm.....
apetece-me tanto.....

17 Março 2011

eyes wide shut

Este ano o Carnaval incluiu uma festa eyes wide shut. Foi fora do país, em Veneza, o que tornou as coisas ainda mais especiais.

O clube tinha um ambiente fantástico, com todos os casais de máscara, lingerie e capa negra.
Para começar a festa, foi recriada a cena do filme Eyes Wide Shut, com o grupo de mulheres a formar um semi-circulo, lindas e mt sensuais, de máscara. Iam sendo 'distribuídas' pela assistência, ao som daquela música super erótica, uma de cada vez, com muita sensualidade.
Não passou de uma encenação e cada uma delas voltou ao seu parceiro no final da cena, mas foi muito excitante ver aquelas mulheres lindas a deixar cair a capa lentamente, expondo os seus corpos perfeitos e sensuais, ao som daquela música forte e envolvente.
Reparamos numa delas. Tinha a pele muito branca e longos cabelos louros. O peito era perfeito e empinado, magra, com o rabo pequeno, mas lindo.
Quando ela se dirigiu ao marido, reparamos que ele estava mesmo ao nosso lado. Aproveitamos para lhe dizer que ela era linda e que adoramos a representação que fez. Foi o suficiente para a conversa começar....
Ao fim de algum tempo começamos a dançar, ora a 4 ora a 2. Seguiram-se beijos molhados e demorados, mãos a percorrer os corpos quentes e vibrantes de tesão....


Ao fim de algum tempo, depois de dançar e conversar, ela sussurrou-me ao ouvido e perguntou se nao queriamos ir para um lugar mais recatado. Procuramos um quarto, onde pudéssemos ter mais privacidade e continuámos o que tínhamos começado na pista de dança.
Ela tinha uns lábios carnudos e doces, que davam vontade de comer.... trocamos beijos demorados e absolutamente excitantes enquanto acariciávamos o clitóris uma da outra
Eles percorriam os nossos corpos com as maos e beijavam-nos o peito, as coxas,.... quando já não podiamos mais com tanta tesão deixamos os lábios uma da outra e trocámos. Ele tinha o corpo musculado, os braços eram fortes, de uma maneira que me deixavam ainda mais quente
Com a língua percorreu o meu peito, a minha barriga e foi descendo, mais e mais, até chegar lá. Comecou devagar e foi aumentando a intensidade, mesmo como eu gosto. Por fim, enfiou dois dedos dentro de mim e fez-me vir quase de imediato...
O resto foi muito bom, muito quente, extenuante......

nunca mais esquecerei Veneza :)

02 Abril 2009

hummm... mais uma noite quente.....

Fomos jantar fora com o J. e a J sem sequer os conhecermos... quer dizer... tínhamos trocado olhares no clube, mas nem tínhamos chegado a falar.

A única coisa que sabiamos deles, depois de algumas conversas no msn, é que eram muito novos no meio e que nunca tinham tido uma experiência com outro casal.

Algo nos dizia que deviamos ir jantar com eles, e que ia ser uma boa experiencia. E foi.

O jantar foi muito agradável, conversamos imenso, rimos... durante horas!

Falou-se de ir a algum lado, a um bar ou algo assim, mas no fim eles convidaram-nos para ir a casa deles. Claro que dissemos que sim.... os olhares e as conversas faziam desejar algo mais....


Já em casa deles, conversamos, bebemos uns copos.... seduzimos e provocamos mais um pouco... cada um à sua maneira.... e ao fim de um bocado começamos aos beijos, e aos amassos.....

Em pouco tempo estavamos os quatro enrolados. Ele tinha um ar exotico e era extremamente sedutor. Sentir aquele corpo nas minhas mãos deixava-me ainda mais excitada. Desde que o vi no clube, quando trocamos olhares, que o imaginei a beijar-me e a deixar-me louca de prazer.... A J. era linda. Loura, de pele clarinha, com ar meigo mas provocador. Adorei beijar aquela boquinha doce e sensual.... e pele era macia e cheirava tão bem.... dava vontade de comer. E foi o que fiz durante um bom bocado. Exploramos o corpo uma da outra, sentido o peito excitado e rijo... a barriga gostosa.... e a fonte de todos os prazeres, que estava completamente excitada, como quem diz, pussui-me....

Algum tempo depois (não foi muito, mas não sei quanto foi porque perdemos sempre a noção das horas) saímos dos braços uma da outra e dedicamo-nos aos meninos que ansiavam com tanta tesão.

Eles gostam de nos ver a saborear uma à outra, e ficar a ali, a aumentar o nosso prazer, com umas mãos, às vezes uma lingua..... mas chega a uma altura que tanto eles como nós queremos é estar ele/ela

O J. estava excitadissimo, mas ainda assim, deitou-me para trás no sofá e dedicou-se a levar-me às nuvens. Bem... foi muuuuiito bom.... aquela língua sabia bem o que fazia.... primeiro devagar e intenso, atento aos meus gemidos.... depois foi aumentando a intensidade, pouco a pouco começou a usar ambém as mãos, os dedos.... uuiii.... não me levou às nuvens! Levou-me às estrelas!!



Pelo meio sentia a mão do Simão que estava mesmo ao lado com a J., que gemia e contorcia o corpo de prazer...
Como eles tinham dito ser softs, não quisemos impor nada, então deixamos que as coisas fossem rolando.... ainda assim, eles perguntaram se tinhamos preservativos. Claro que sim! Andam sempre connosco!
Bem.... sentir o J. a libertar toda aquela tesão, a estremecer em cada estocada foi muito, muito bom.... ele enterrava-se em mim, mas não deixava de passar a mão no meu corpo, no meu peito exciatdo, nas minhas nádegas quentes e no meu clitoris latejante.... deu-me prazer por mais um bocado e no fim viemo-nos ao mesmo tempo, numa explosão orgásmica de prazer.....
foi muito bom....

08 Março 2009

SWIG - grande reportagem na RTP

Mais uma reportagem na televisão portuguesa, desta vez, com cerca de 25 mim, sobre Swing. Os casais, os vários clubes espalhados por Portugal, os contactos 1ºs contactos, os problemas que podem surgir, as vantagens para a relação....



a não perder:





video

02 Março 2009

Orgia mundial em Espanha

@ Correio da Manhã, 02 Março 2009

São seis dias e cinco noites divertidíssimos, nos quais mais de 220 casais se libertam dos preconceitos do dia-a-dia, num hotel de luxo, tendo o erotismo e o sexo como menu principal." É assim que Susana, de 38 anos, classifica as orgias mundiais como a que se vai realizar no mês de Maio em Espanha.

Susana e o marido, Manuel de 46 anos, são portugueses e empresários, residem na zona de Cascais e são swingers há quase dez anos. Conhecem o meio como a palma das suas mãos e são frequentadores assíduos deste tipo de festas, quer no estrangeiro, quer em Portugal.

São festas normalmente secretas, apenas conhecidas por quem frequenta o meio. Umas são assim, como esta de seis dias numa cidade de Andaluzia, abertas a todos os casais swingers do Mundo, sendo o limite estabelecido pelo número de quartos disponíveis. Mas há outras, íntimas, reservadas a pequenos grupos. São orgias, mas para uma elite, nas quais os casais são seleccionados segundo determinados critérios.

Manuel e Susana (nomes fictícios) levantam uma pontinha do véu, que esconde o local exacto da primeira orgia mundial de 2009 para casais, e revelam alguns pormenores. Por 799 euros por pessoa, os casais têm direito a um hotel de luxo, discreto, a festas de nudismo na piscina durante o dia, e a festas temáticas à noite. Há desfiles de roupas e lingerie sexy e as manequins são as esposas de cada casal. Há stripers masculinos e femininos, há cuspidores de fogo e faquires, e durante o dia à acções de formação com prática: Os homens podem aprender as melhores técnicas para masturbar uma mulher e vice-versa.

Segundo este casal são muitos os portugueses que frequentam estas festas. 'Portugal é uma das nacionalidades mais bem representada. Já há muitos inscritos', conta Susana. Até porque o maior clube português de swing, o X-CLub, tem uma pareceria com o maior site internacional, o SDC (Swing Date Club), o organizador da festa de Maio. Aliás, o país vizinho há quatro anos que é o anfitrião da primeira orgia de cada ano.

FESTAS DE SEXO EM IGREJAS, BARCOS E ILHAS DESERTAS

Espantem-se os mais conservadores, mas o CM descobriu que há clubes que organizam festas em igrejas e castelos medievais. Estas festas não são gratuitas e os seus participantes são pré-selecionados pela internet. Depois da inscrição no site, é pedido o envio de uma foto do casal. As festas são quase sempre temáticas. Por exemplo, as festas do site Little Sins (Pequenos Pecados) só aceitam casais com mais de 21 anos. São as mais excêntricas porque são feitas em igrejas, barcos e ilhas desertas, ou em edifícios abandonados. O tema preferido é ‘Eyes Wide’, como no filme de Tom Cruise ‘Eyes Wide Shut’.

DJ PORTUGUÊS VAI ANIMAR ORGIA DE MAIO

Ao que o CM apurou, junto de fontes ligadas à organização da orgia mundial de Maio, o SDC este ano convidou um DJ português para animar as noites. A sua identidade não nos foi revelada. Nestas festas há algumas regras que são geralmente aplicadas em todos os encontros do género. ‘Não’ é mesmo ‘não’. E não é obrigatório haver troca de casais. Podem participar casais que optam apenas por estar lado a lado com outros.

O MILIONÁRIO QUE PAGA TUDO

A primeira orgia mundial aberta a todos os casais é definitivamente a que se vai realizar em Espanha, no mês de Maio, mas as festas privadas reservadas a grupos mais restritos começam já em Março. A mais badalada, mas também a mais secreta, talvez, pelas características de extremo luxo, é a festa de um multimilionário do continente asiático. Nesta festa só se entra por convite do próprio anfitrião. Não tem site na internet, mas é referida nos sítios de quase todos os clubes mundiais, que apenas mostram o ‘cartaz’ em baixo denominado como ‘Elite Party’.

Este encontro tem várias particularidades, nomeadamente o facto de o multimilionário pagar tudo, desde a passagem de avião ao hotel. A selecção é difícil. E em cada país participante (escolhe casais de vários países), o anfitrião tem um casal responsável por seleccionar outros. Por exemplo, o anfitrião vai a um site português e escolhe oito casais e manda um e-mail para os seleccionadores com o pedido para escolherem dos oito apenas dois.

Este ano, os portugueses estão com sorte. Foram seleccionadas 12 nacionalidades, e há três casais portugueses na guest list. Estas orgias são sempre num país diferente e em hotéis de luxo máximo. Têm uma periodicidade de uma ou duas vezes por ano. Já houve festas na Bélgica, em Espanha, Holanda, França e Itália. Este ano este ricaço vai convidar 52 casais porque faz 52 anos.

PORMENORES

CRITÉRIOS

Os casais não podem ser fumadores nem usar drogas. Têm de ter boa aparência. Há muito viagra e preservativos. Não se aceitam casais que não façam troca de parceiros. Têm de ser todos ‘Full Swap’, troca total.

DRESS CODE DESTE ANO

A festa terá lugar em Março, num país europeu, e o CM sabe que começa numa sexta e que termina no domingo. Na noite de sábado este ano, as mulheres têm de ir vestidas de vestido comprido dourado e lingerie verde-chá. Os homens levam smoking e roupa interior amarela.

ELITE PARTY

A Elite Party é a orgia mundial mais restrita que existe. A identidade do seu organizador é conhecida por poucas pessoas. Nem todos os participantes sabem a sua nacionalidade. Os convites são enviados por e-mail e os casais são obrigados a um pacto de silêncio. Normalmente é reservado um hotel inteiro e os casais ficam em suites.

TRINTA CASAIS NUM CASTELO NA SUÍÇA EM ABRIL

Para entrar nesta festa, o casal tem de ser elegante e, se for seleccionado pelos seus organizadores, pagar 225 euros por pessoa. No dia 25 de Abril, o site Castleevents vai organizar uma orgia d e luxo. O limite são 30 casais. E a festa será num castelo, cuja morada será revelada no próprio dia, na Suíça. Este site já organizou festas em castelos por toda a Europa. Ao que o CM apurou, os convidados chegam ao local de limusine. O jantar é VIP e está marcado para as 21h00. Os convidados brindam com champanhe .

Por volta das 23h00, o mestre da cerimónia chama os casais para uma apresentação erótica de cada um. Os quartos são mostrados, a decoração é surpresa, mas apostam sempre em ambientes quentes. O dress code deste ano aposta nos vestidos de noite pretos para as senhoras e nos smokings para os homens. Todos têm de usar máscaras venezianas que são distribuídas à chegada por 30 euros.

INFORMAÇÃO

FESTAS EM AGOSTO

Um dos destinos de férias dos casais swingers e que promete festas de sexo é Cap-d’Agde, em França.

OITO

O swing é hoje uma realidade crescente em Portugal. E nos últimos quatro anos assistiu-se à proliferação de clubes. Haverá a nível nacional pelo menos oito locais para os casais portugueses.

ASSOCIAÇÃO MUNDIAL

Há uma associação mundial de swingers: www.nasca.com. Organiza com frequência convenções para debater o tema que ainda é um tabu.

SAIBA MAIS

NOITE BRANCA

As festas temáticas são uma surpresa, mas há sempre a da noite branca. O SDC reserva uma discoteca fora do hotel e transporta os casais em autocarro.

PLAYROOMS

O hotel transforma as salas de reuniões em quartos (playrooms) para os casais poderem ter sexo.

NÚMEROS

799

Este é o preço, em euros, da megaorgia mundial por pessoa.

450

O SDC espera reunir em Maio 450 pessoas, isto é 225 casais.

43

Já estão inscritos casais de pelo menos 43 nacionalidades.

07 Dezembro 2008

só de pensar nela fico quente....

Ontem fomos ao clube para dançar e quem sabe algo mais.....
Um bocado depois de lá estarmos chegou o M e a J. Já estivemos com eles, há uns meses, mas eu não achei a experiencia com ele muito fantástica, embora com ela tenha adorado.
Ela assim que me viu veio na minha direcção e deu-me um grande beijo, bem demorado....
Dancei com o Simão, conversamos com outros casais e pelo meio eu e ela iamos trocando olhares sedutores.
No meio de uma musica em que estavamos mais próximos, passei a minha mão na coxa dela e ela inclinou-se para trás e começamos aos beijos.... não faltou nada para estarmos aos beijos molhadissimos, a percorrermos o corpo uma da outra com as mãos...



A nossa sede e desejo de estar uma com a outra era tanta, que fomos para a casa de banho.
Primeiro de pé, por cimas das cuecas pequeninas, beijou-me e apalpou-me. Estava quente e humida, cheia de tesão. Depois afastou as minhas cuecas, e começou a beijar e a lamber. As minhas pernas tremiam.
Baixei o tampo da sanita e sentei-me, já sem cuecas. Não sei quantas vezes me vim, mas ela lambia, apalpava e enfiava os dedinhos humidos uma e outra vez, e eu contorcia-me e gemia de prazer..... ai... foi tão booommmmm......
quando já não aguentava mais, pedi-lhe que se levantasse e que se virasse de costas.... debruçou-se, baixei-lhe as cuequinhas e comecei a lamber aquela coisinha quente e humida, tão saborosa, enquanto começava a tocar no clitoris, completamente excitado.... ela pedia-me que enfiasse os dedos, louca de tesão..... Apalpei-lhe as nádegas rijas e enfiei-lhe até onde consegui, enquanto com a outra mão, continuava a esfregar o critoris latejante. Bem... ela não gemia, ela gritava de prazer.....
O que vale é que a musica estava bem alta!
Saímos de lá todas descabeladas, mas com um sorriso de orelha a orelha....
O Simão sorriu e perguntou se estava tudo bem comigo... respondi - anda para o quarto que preciso de te sentir dentro de mim....

Foi uma noite boa demais!

12 Outubro 2008

o motel do prazer

Conhecemo-nos pela internet...

tivemos algumas conversas pelo messenger onde trocamos impressões e percebemos que tinhamos formas de pensar semelhantes, e que procuravamos o mesmo....
o passo seguinte era obvio... marcar um encontro

combinamos um café num barzinho calmo, junto à praia, onde se pode conversar à vontade, sem pressas... foi muita agradável porque deu para nos conhecermos melhor e para despertar vontade de nos conhecermos ainda melhor...


Combinamos então um encontro no sábado seguinte, num motel que gostamos bastante por ser discreto e muito giro.
Chegamos antes da hora combinada, como costume. Espalhamos as velas pelo quarto e preparamos o espumante, os morangos e chocolate.....
Entretanto eles chegaram.

Para descontrair, fomos os quatro para o jacuzzi...

em poucos minutos começamos as duas aos beijos e a sentir os nossos corpos quentes e cheios de vontade de ter prazer....

Eles eram os dois fisicamente muito interessantes... os trinta e poucos anos de cada um deles estavam muito bem conseguidos, segundo eles, com algum ginásio...




Fomos entretanto para a cama gigante, onde nos envolvemos os 4
Ora a beijava, ora beijava um deles.... sem saber quem me fazia sexo oral ou quem percorria a minha barriga com a lingua....
Não demorou muito para que atingisse o climax com aquelas mãos todas, as linguas, os corpos quentes..... huummmm.....

Fui então para cima dele, ordenando-lhe que ficasse quietinho..... só tinha que sentir prazer....... ficar assim sem me tocar, comigo a percorrer o corpo dele com as minhas mãos, passar a minha lingua pela barriga.... e descer.... aos pouquinhos...... e aos poucos passsar a lingua.... e de repente.... enfiá-la toda na boca até ele extremecer....
E ficar assim.... a dar prazer até que ele revira os olhos e diz que não aguenta mais.....

foi muito bom.....
se aquela cama falasse...

demos e recebemos prazer, sexo, sensações fortes durante umas 4 horas, com duche e jacuzzi pelo meio....

fica a vontade de repetir

11 Outubro 2008

Swingtown - swing na tv portuguesa

Swingtown, que vai estriar na FOX life, é uma dessas séries que deixa as pessoas de boca aberta.



Fala de swing entre casais num subúrbio norte-americano em meados dos anos 70. Na série, Susan (Molly Parker) e Bruce Miller (Jack Davenport), mudam-se com a sua família para um subúrbio rico nos arredores de Chicago.
Lá conhecem os vizinhos Tom e Trina Decker, um casal bastante sociável, termo que vai ser bastante expandido durante a série. Após um jantar, Susan e Bruce descobrem que os casais da cidade compartilham muito mais do que chávenas de açúcar e receitas de bolos.

Série polémica, “Swingtown” mostra uma vizinhança dos anos 70, junto com muito sexo, drogas e cenas picantes, relações grupais e troca de casais.
Não recomendado a menores de 14 anos.

24 Setembro 2008

Reportagem: Mercado de troca de casais vive ‘boom’ nos EUA



'Swing' movimenta milhões de dólares nos Estados Unidos. Uma única empresa costuma receber 900 casais nas suas convenções.


Matt Virtue, que trabalha como consultor num escritório de advocacia de Washington, conta que gasta mais de US$ 10 mil por ano para freqüentar convenções, hotéis e clubes onde ele e a namorada podem fazer sexo com outros parceiros.



Dois casais que participaram da convenção da maior organização de swing dos Estados Unidos (Foto: Adam Tanner/Reuters)

"Qualquer outro hobby que eu praticasse aos 40 anos custaria-me US$ 10 mil", disse ele dentro de uma banheira que dividia com a namorada e um casal com quem haviam tido relações na noite anterior. "Cara, sou viciado nisso, disso não há dúvidas".

Um entusiasmo como esse é responsável por transformar o que um dia eram paixões privadas num negócio multimilionário. A Lifestyles Organization, maior empresa se serviços de swing dos EUA, regista vendas anuais de cerca de US$ 15 milhões.

Os adeptos do swing, ou os swingers, também rendem milhões de dólares a clubes e hotéis especializados nos Estados Unidos, além de Jamaica, México, França e outros países.

"Trata-se de um estilo de vida, mas, na verdade, não deixa de ser um negócio", disse Robert McGinley, 73, presidente da Lifestyles Organization, durante sua convenção anual em Las Vegas, que recebe cerca de 900 casais.



Perfil
A Lifestyles Organization atende um público de classe média que deseja conhecer casais que fazem o mesmo estilo e que, em geral, querem ocultar suas paixões dos que chamam de "vanillas", ou "baunilhas" (casais convencionais).

As tentativas de conhecer casais que praticam o swing fora desses circuitos costumam ser frustradas, fazendo com que os organizadores de viagens, clubes e convenções especializados no ramo garantam um negócio estável.

Terri, 48, presente na convenção de Boise, Idaho, que preferiu não divulgar o sobrenome, contou que ela e o marido de 21 anos chegam a gastar US$ 8 mil por ano em diversas semanas dedicadas a férias e visitas a clubes de swing.

No evento deste ano, a Lifestyles Organization, sediada em Anaheim, na Califórnia, fechou um hotel inteiro próximo a Las Vegas e organizou seminários e festas para casais de meia idade.

Os mais exibicionistas do grupo reuniam-se em quartos abertos após a meia-noite para fazer sexo enquanto outros os observavam ou entravam para participar. Alguns casais conversavam trivialidades enquanto se "integravam", inclusive um homem que gabava-se por o seu filho estudar medicina.

"Na outra noite eu olhei e havia cinco ou seis pessoas observando", contou Terri, reformada da aeronáutica americana há dois anos. "Fico feliz porque estava apresentando um belo espetáculo".

"Foram três (amantes) nas últimas 24 horas".



Mercado
As principais empresas de pesquisa relacionada a sexo afirmam que não sabem qual é a quantidade de swingers nos Estados Unidos, então é difícil determinar qual a fatia de mercado que essa subcultura representa de um modo geral.

Rick Conner, swinger e autor de um livro de aconselhamento para esses casais, estima que existam 100 mil swingers americanos, dos quais 20 mil são bastante activos. Outros swingers sugerem que o número esteja na casa dos milhões.

"Favor não fazer sexo no restaurante"

Apesar do foco pouco convencional do congresso, McGinley enumera as principais preocupações de muitos empresários.

"Nos negócios há risco e você precisa decidir se o risco é ou não viável", disse ele. "No fundo há bastante planeamento e muita análise financeira de agora e do passado, além do estudo da conjuntura actual".

Segundo ele, os casais pagaram uma taxa de inscrição de US$ 690, dos quais US$ 200 cobriam os custos, resultando em um lucro total de mais de US$ 400 mil. Os custos de passagem aérea e hospedagem no hotel ficam por conta dos casais e não estão incluídos nesse valor.

A Lifestyles Organization já teve de lidar com alguns incidentes um tanto inusitados. Os funcionários da empresa tiveram de interromper um casal que fazia sexo dentro do restaurante Tuscany Suites.



Lucro
As convenções rendem à Lifestyles US$ 4 milhões em vendas anuais. Os serviços de viagens prestados pela empresa para hóspedes swingers em resorts como Hedonism II, na Jamaica, ou Desire, no México, rendem mais US$ 10 milhões a US$ 12 milhões ao ano, revelou McGinley.

"Nós atenuamos as nossas regras que já são liberais para atender a Lifestyles Organization e fazer com que a decisão de se vestir em todo o resort seja opcional", explicou Richard Bourke, gerente geral do Hedonism II.

Ele conta que a Lifestyles Organization reserva o equivalente a US$ 2 milhões em quartos por ano por seis semanas fechadas. Os funcionários do Hedonism II são proibidos de ter relações sexuais com os hóspedes e alguns foram demitidos por violar a regra, contou Bourke.

"Existem resorts com empresas de hotelaria de renome que estão aderindo a esse serviço", disse McGinley. "Eles não dão a mínima para o swing, mas sim para o dinheiro e somos nós que garantimos os clientes deles".

O Desire Resort and Spa em Los Cabos, no México, inaugurou em novembro com foco no mercado de swing. Cerca de metade dos hóspedes é formada por swingers activos, de acordo com Jesus Prado Leal, recepcionista.

Há centenas de clubes em todo o país que também atendem swingers. Jeff James, que trabalha para o Club Freedom Acres em San Bernardino County, a leste de Los Angeles, disse que cerca de 225 a 260 casais freqüentam o local numa típica noite de sábado, pagando US$ 85 cada, e o público da sexta-feira também é mais ou menos esse, com entradas custando US$ 65. "A freqüência diária duplicou nos últimos três anos", disse ele.

O swing também incentiva serviços complementares como cirurgias plásticas nos seios e remédios para disfunção erétil. "O Viagra com certeza faz parte do universo adulto", disse Deborah, esteticista e avó de 52 anos de Dallas, Texas, que preferiu não ter a identidade revelada. "Se antes eram quatro estrelas, agora são provavelmente cinco".

07 Setembro 2008

na terra do sexo e do prazer

Este Verão conhecemos o paraíso sobre a terra, em termos de liberdade, sensualidade, sexo, erotismo, prazer, beleza....


Cap d’Agde.


É uma pequena Vila naturista, no sul de França, onde tudo é permitido e nada nem ninguém é julgado....


um local onde impera a liberdade de andar pelas ruas sem roupas, ou com as poucas roupas que quisermos....


uma vila onde podemos seduzir e ser seduzidos desde o pequeno-almoço....


onde as noites são quentes repletas de experiencias alucinantes e extremamente fortes, pelo inesperado e erotismo vibrante...


uma das noites...




reparamos neles a dançar num dos clubes

ela era morena mt morena, de cabelos negros... com um vestidinho minusculo e semi transparente, que deixava perceber os mamilos, a tanga e os contornos das coxas...

ele também era moreno, com uns grandes olho verdes.... e um ar extremamente charmoso....

Estavam a dançar, um para o outro, e a beijarem-se apaixonadamente



Aproximamo-nos um pouco e começamos a trocar olhares com eles

Em poucos minutos já estavamos os 4 quase encostados, com a minha perna a tocar na perna dela.... Com as minhas mãoes comecei a percorrer as coxas, o rabo, as costas..... beijamo-nos. Era doce e quente. Ela respondeu em simultâneo, sentindo os meus mamilos rijos, beijando-me o pescoço....

Entretanto, os nossos rapazes começaram também a envolver-se connosco...

Ele tinha os braços fortes e sabia beijar muuiiito bem.... senti-me a ficar nas nuvens, com vontade de estar num sítio mais reservado, para poder apagar aquele calor.....

Pouco tempo depois, em Francês, trocamos algumas palavras que basicamente serviram decidir ir rapidamente para baixo, porque estavamos todos a mil!

Descemos para um quarto "privado" e demos seguimento ao que já tinhamos iniciado....

Ela era um espanto..... sem o vestidinho sexy estava ainda mais provocante e sensual, muito morena, sem marcas do bikini e só com os cabelos negros a cair pelas costas....

Estivemos as duas um bocado, mas entretanto estavamos cheias de vontade de estar com eles....

Ele sabia onde e como usar as mãos..... enquanto me beijava as coxas passava mãos pelas nádegas, pelo interior das coxas, pela barriga.... fazendo-me extremecer... depois começou a beijar e lamber aos poucos, o meu clitóris, enquanto continuava a usar as mãos, os dedos.... em poucos minutos e porque já estava super excitada, fui às nuvens!
Estivemos os quatro enrolados mais um tempão...

Foi uma noite quente... inesquécivel.... e muito intensa.....

mais uma de Cap d'Adge


20 Julho 2008

aniversário do Intimidades Swing Club

Ontem foi o aniversário do Intimidades Sw Club
Parabéns ao Clube e às pessoas que o tornam possível

Foi uma noite quente.... mais uma

Ao longo da noite conhecemos vários casais muito interessantes...
dançamos, beijamos, trocamos caricias, olhares....
a noite acabou já era dia... fantástica!

21 Junho 2008

Swinging - reportagem

Os casais são libertos de tabus e dão vida às fantasias, com outros casais, aceitando que o seu parceiro tenha relações sexuais com outras pessoas
Certamente já ouviu termos como “swing”, “swinging” ou “swinger”. Por todo o país têm aumentado o número de casais que tem uma forma diferente de encarar o sexo no casamento.

São pessoas de todos os estratos sociais, culturais, económicos e etários, com uma enorme vontade de viver e que adoram aproveitar todos os pequenos prazeres que a vida lhes proporciona.

Gostam de se divertir, de “jantaradas”, de dançar até tarde numa discoteca, de beber um copo num bar, de conviver... e, claro, de sexo, muito sexo!

Os swingers encaram o casamento como um partilhar em pleno de uma vida a dois, valorizando a fidelidade mental e não a física. O casal swinger é, pois, desprovido de preconceitos em relação à sexualidade.
No fundo, são libertos de tabus e dão vida às fantasias, com outros casais, aceitando que o seu parceiro tenha relações sexuais com outras pessoas. Contudo, o envolvimento entre swingers é puramente carnal. Nunca sentimental.

Várias são as palavras relacionadas com o swinging, tais como pornografia, promiscuidade, orgias, depravação, libertinagem... Cada casal tem a sua interpretação de swinging. No entanto, um dos principais objectivos dos swingers é estabelecer relações de convívio com outros casais, que venham a enriquecer a vida conjugal, por isso não encaram o swing como algo depravado ou libertino.

Livres de preconceitos, os casais swingers encontram outros casais na Internet. Através de sites próprios, colocam anúncios, falam em chats e fóruns e partem à aventura, marcando encontros...

«O swing consiste numa troca de casais. Infidelidade consentida», afirma um casal de brasileiros, de 46 anos, que já praticou swing três vezes. A experiência com o swing varia de casal para casal e, claro, de pessoa para pessoa. «O que mais de positivo contribuiu para a relação, foi o aumento sensível no desejo sexual de um pelo outro», diz o mesmo casal, que aponta um problema a este tipo de relações estabelecidas, numa primeira fase, através da Internet: «podemos encontrar casais desajustados.
Por exemplo, quando apenas um dos cônjuges quer ter este tipo de relação. Por outro lado, quando encontramos um casal maduro emocionalmente, é um prazer, pois o sexo é feito de forma a que todos se satisfaçam inteiramente.»

«A Internet veio abrir alguns caminhos para o encontro entre casais», refere um casal de portugueses que teve experiências de sexo em conjunto com quatro. Ela de 30 anos e ele de 40 explicam que os encontros entre os casais swingers são feitos discretamente: «existe um hotel no Algarve e pelo menos dois bares em que as pessoas se encontram. As festas são sempre em casas particulares ou em locais estratégicos.»

Este casal de portugueses diz sentir-se mais unido que em qualquer momento da vida. «Adoro a minha mulher e sei que a nossa relação vai muito para além do acto que acontece naquele momento», diz Alberto* a propósito do que sente quando assiste ao acto sexual da mulher com outro homem.
«Não há qualquer ciúme ou medo», continua, «porque é uma relação consentida e desejada por ambos. Dá-me muito prazer ver que ela está bem.» Ao que Sandra*, mulher de Alberto, acrescenta: «a nossa relação ultrapassa a convenção tradicional. Somos cúmplices e não há espaço para o ciúme.» Além do mais, para este casal a experiência que têm tido, no decorrer de três anos em que passaram da fantasia à acção foi enriquecedora.

No entanto, segundo António*, casado há 21 anos com Barbara*, «todas as pessoas que praticam swing correm o risco de um dos cônjuges preferir o outro parceiro.» Este brasileiro prefere que a sua mulher satisfaça as fantasias com ele presente do que «ambos fazerem isso às escondidas, como acontece com inúmeros casais, que vivem uma vida hipócrita.»

Cybercouple é um nickname de um casal do Porto, co-fundador de um site dedicado a casais swingers. Este é um casal que já entrou no swing há dois anos: «O que nos motivou o swing foi acima de tudo a curiosidade de ver como é, e como a ideia até era excitante, fomos experimentar e gostamos.

Mas antes de lá entrar a ideia andou cerca de 1 ano a "germinar", e só demos o ultimo passo quando começamos a discutir o assunto fora da cama. Assim que conseguimos fazer isso, e discutimos normalmente sobre as nossas fantasias achamos que estávamos prontos para o próximo passo: conhecer casais.»

Embora não acredite que o swing salve um casamento, este casal diz que o swing pode contribuir para fortificar uma relação, se o relacionamento for estável e porque as pessoas falam mais abertamente da sua sexualidade e das suas fantasias.
«Continuamos a ter as nossas discussões, as diferentes formas de ver certos assuntos, mas também lá continua o gostar de sentir o calor do corpo (mesmo no verão), quando nos deitamos, da troca das pequenas carícias (e também das grandes) e, claro do sexo a dois», refere este casal do Porto.

Fundamentalmente o que ajudou à divulgação do swing foi a Internet, e foi com o aumento da sua utilização que o número de casais curiosos (e não só) cresce de semana para semana.
Além disso, as novas tecnologias permitem colocar as pessoas em contacto sem que sejam conhecidas as identidades de ambos os lados, o que segundo dizem vários casais swingers «torna mais fácil e com menos receios os primeiros contactos entre os casais.»


* Por forma a preservar a privacidade dos entrevistados usamos nomes fictícios


SAPO Mulher
http://mulher.sapo.pt

18 Junho 2008

Reportagem: Festas reúnem adeptos à troca de casais

O erotismo está à flor da pele dos praticantes do swing. A troca de casais está aos poucos deixando o círculo da Internet, onde comumente são acertados os encontros, para ganhar espaço nas festas realizadas com o único propósito de reunir adeptos da prática do swing. Só este ano, já foram promovidas duas festas em Aracaju e mais duas estão na reta de produção. Como numa sociedade secreta, o acesso só é permitido com a indicação de um outro casal praticante. A última delas, realizada em junho, num endereço na região do Mosqueiro (Brasil), reuniu 40 casais.



“Quando começamos a promover os encontros, há cerca de cinco anos, atraíamos no máximo dez casais. Hoje reunimos entre 30 e até 40”, disseram Sheila e Charles, nomes usados pelo casal pioneiro na realização de festas desse tipo em Aracaju e donos do único site sergipano voltado para esse público. Hoje ela estima que existam em Aracaju cem casais adeptos da prática, mas desses apenas um terço freqüenta os encontros. Os demais buscam casas de swing em outros Estados ou preferem os encontros fortuitos acertados nos sites de relacionamento. O site dela tem mais de 3.500 anúncios de casais de todo o mundo se oferecendo para a prática do swing. São homens e mulheres de todas as idades, embora a faixa predominante hoje varie entre 25 e 35 anos.

Prazer e Ciúme

Não foi Sheila e Charles que promoveram a última festa, mas Beth e Barney (assim são conhecidos no meio), um casal bem jovem que aparenta no máximo 28 anos. Eles adentraram nos rumos do swing há três anos e meio por curiosidade. “Morávamos em Salvador e tínhamos uma amiga que nos falou do assunto. Atiçou a curiosidade e fomos atrás de mais informações na Internet. Criamos um MSN só para isso, até que nos enchemos de coragem e fomos a uma casa de swing em Salvador. Não foi legal. Rolou muito ciúme. Depois, nas próximas, fomos nos soltando”, relatou Beth.

O ciúme também incomodou o casal Sheila e Charles nas primeiras experiências. “Quando você vê pela primeira vez o seu parceiro com outro rola uma mistura de prazer e ciúme. Depois acaba se acostumando, pois como há confiança entre o casal, sabe que aquela relação é apenas para obter prazer, liberar as fantasias e acaba ali, não tem porque ter ciúme”, falou Sheila, uma loira alta de olhos bem azuis. Ela é casada há cinco anos com Charles, um moreno alto, forte e de falas articuladas.

Festas sem lucro

Segundo Sheila e Beth, as festas não têm fim lucrativo, mas visam apenas reunir os adeptos dessa prática sexual. O passaporte do casal custa em média R$ 40, com direito às bebidas e aos frios servidos no local do evento. Nos grandes centros, as festas geralmente são realizadas em casas de swing (Salvador tem três) e nessas o lucro é o objetivo central. “O intuito das festas que fazemos aqui é para promover o encontro dos casais que assim como nós curtem essa opção. É uma espécie de confraternização onde o dinheiro que arrecadamos com a venda dos passaportes serve para custear o aluguel da casa e comprar os comes e bebes”, falou Sheila.

As festas de swing geralmente ocorrem em casas espaçosas e em bairros mais distantes. O endereço onde aconteceu a última só Beth, Barney e os adeptos sabem. Os promotores apenas disseram que foi na região do Mosqueiro. O som geralmente é mecânico e o freezer aberto, sem necessidade de garçons. Eventualmente, contrata-se um garçom “pessoa do meio”, destacou Beth e Barney.

Mas é Sheila e Charles que descrevem o cenário da festa: há um local para dança, onde geralmente alguém, que queira, faz strip-tease, para descontrair o ambiente. Há mesas espalhadas pelas varandas onde os casais conversam abertamente sobre suas fantasias. Acaba que aqueles que têm intimidade e química trocam carícias. Uns ficam só olhando, sentindo prazer em ver o parceiro ou a parceira com outra e há aqueles que se excitam e se iniciam no jogo sexual ali mesmo, no salão. Tem também os quartos, para os que preferem ir para a intimidade e ainda aqueles que preferem aproveitar a noite em um motel. O lugar é um espaço liberado.

Os riscos

Liberação em tempos de Aids é algo perigoso. “Os riscos existem a partir do momento em que eles não se preservam”, disse a sexóloga Nairete Correia. “A gente recomenda o uso do preservativo, mas não podemos obrigar ninguém a usar”, disseram Beth e Barney. “No local das festas, as camisinhas masculinas são espalhadas em vários pontos da casa”, complementou Sheila.

No ambiente onde sexo é liberado e todos podem andar nus, os inconvenientes são comuns, mas nada que não seja facilmente contornado, segundo Sheila e Charles. Isso em Aracaju, onde as festas reúnem apenas gente conhecida e indicada por algum adepto. “Às vezes o cara chega e insiste. Mas basta um olhar de socorro meu para ela ou dela para mim que um vem ao encontro do outro para desfazer o inconveniente”, disse Charles.

O risco de se expor ou de acabar com o relacionamento também não está descartado. Nos encontros acertados através das redes virtuais de relacionamentos o risco da exposição é bem maior, embora nas festas o perigo de encontrar ou de vir a ser reconhecido na rua também está presente. “Eu costumo sempre dizer aos casais que estão iniciando. Se estão em crise, querendo fugir da rotina, nem pensem em fazer o swing. Swing não é válvula de escape ou salvação de casamento de ninguém, muito pelo contrário. Para participar, precisa estar muito seguro e muito bem com o parceiro. Confiar nele e, sobretudo, ter mente aberta”, falou Sheila.

As regras

O evento tem regras. Só entram nas festas casais estáveis. Solteiros, sozinhos ou acompanhados de garotas de programa, jamais. Os casais podem até virem acompanhados de uma mulher, chamada no meio de Pookemoa. Já um acompanhante do sexo masculino, nunca! “As mulheres são mais cautelosas, não vão sair comentando o que fizeram ou o que aconteceu. Já o homem, não, geralmente não tem esse escrúpulo e pode sair falando”, explicou Charles.
Para poder participar da festa, é preciso ser indicado por um casal que já é do meio. Mas, há um jeitinho de escapar dessa regra. “Se uma pessoa liga querendo participar, a gente conversa muito, até marca um encontro, e como já estamos no meio há um bom tempo dá para saber se são casados, se têm uma relação estável ou se é alguém querendo ir levando uma garota de programa. A gente percebe. Se for solteiro e quer ir com uma namorada nova, sem estar seguro de que é isso que quer, não entra”, falou Sheila.

Swings são encontros secretos e planejados

Quando se fala em swing, há quem associe imediatamente ao escritor francês do século XVIII, o marquês de Sade. Famoso pelos contos eróticos e libertinos que escreveu e pelo sadismo, ficou conhecido também como o marquês do erotismo. Mas para o historiador Fábio Maza, estudioso da literatura moderna e contemporânea e especialista nas obras de Sade, não há relação alguma.

“Do ponto de vista casal fixo, não vejo relação. Em Sade não existe relacionamento marido/mulher e o swing não existe nas obras dele. A associação que pode se fazer é pelo fato de o swing ser algo secreto e planejado”. Ele falou que o escritor libertino narra em seus contos orgias praticadas em sociedades secretas de forma bem ordenada e planejada, a fim de possibilitar uma maior fluidez dos instintos sexuais e, portando, do prazer. No swing, os encontros também são planejados e de forma bem oculta para que seus adeptos não se mostrem à sociedade.

Para ele, os swings de hoje não são novidade, pois já existiam em épocas distantes. “São fantasias sexuais que já existiam no passado, o marquês de Sade é um exemplo, que era uma experiência muito além da ménage e da troca de casais, mas que já existia e refletia, na época de Sade, práticas que já existiam na sociedade francesa e na inglesa”, falou.

27 Abril 2008

A ESCALA DE DIONÍSIO - ser swinger

NÍVEL 1
O casal partilha a sua sexualidade à distância, através do telefone, ‘e-mail’ ou ‘webcam’. A linguagem chega a ser obscena. Pela ‘webcam’, exibem-se em cenas de sexo para outro casal.

NÍVEL 2
O casal envolve-se com um terceiro elemento, em regra uma mulher. Pode existir penetração, envolvendo o terceiro elemento.

NÍVEL 3
O casal gosta de ver e ser visto. Partilha o quarto ou cama com outro casal e ambos praticam sexo sem troca de parceiros. Pode haver contacto entre eles.

NÍVEL 4
O casal interage com outro casal. Há regras e limites pré-estabelecidos que pode incluir tudo, excepto penetração.

NÍVEL 5
O casal troca de parceiros. Inclui penetração. Podem existir regras e limites além do uso do preservativo. Neste nível, o sexo em grupo é normalmente aceite.

NÍVEL 6
O casal partilha totalmente a sua sexualidade com outro casal sem limites (além do uso do preservativo). Podem nem sempre estar juntos, as partilhas podem não ser equitativas ou ser apenas de um deles, mas acabam a noite juntos.
Nota: Descrita no livro ‘Swing’. Dionísio é o deus grego das festas, do vinho e lazer.



Conforme a orientação sexual dos participantes o swing pode ser:

MFFM
swing entre mulheres bissexuais e homens heterossexuais
MFMF
swing entre mulheres e homens heterossexuais
FMMF
swing entre mulheres heterossexuais e homens bissexuais
MMFF
swing entre mulheres e homens bissexuais

30 Janeiro 2008

Cada vez mais casais praticam "swing" em Portugal

RTP - em reportagem

Cada vez mais casais praticam "swing" em Portugal
Não há números oficiais, mas a perspectiva swinger aponta para a existência em Portugal de 3 a 4 mil casais que regularmente trocam de parceiros sexuais.

Dentro do grupo, percebe-se que esta é uma realidade que cresce todos os dias no nosso país.




http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?headline=98&visual=25&article=323385&tema=27

07 Novembro 2007

elas, sensuais, quentes, excitantes, lindas....



o que torna as mulheres tão sensuais?

o que é que as mulheres têm para fazer com que homens e mulheres olhem quando passam na rua? o que é que as torna tão atractivas?


os homens por mais que se esforcem não conseguem transmitir essa atracção...
Eu sempre senti curiosidade pelas mulheres, como seria tocar-lhes, sentir a pele de uma mulher nos lábios, o cheiro, o sabor....
Quando "entramos" no meio swinger a nossa fantasia era estar com outros casais, partilhar momentos quentes e sensuais, a 4...
Mas descobri que é fantástico estar c mulheres. Além de tudo o que envolve estar a 4, tornou-se para mim quase imprescindível o contacto, as sensações e o prazer com a mulher do outro casal...
Soube assim que sou bi, e que estar com uma mulher é fantástico.
Isto tornou o swing ainda mais quente... prazer a triplicar.....


05 Setembro 2007

sexo ao luar....

O fetiche era: sexo ao luar.

chegamos à conclusão que todos nós tinhamos esse fetiche... fazer sexo ao ar livre, numa noite quente de verão, com as estrelas a assistir

ora, o jantar que tivemos num restaurante na praia abriu-nos ainda mais o apetite para experimentar a aventura a quatro.

começamos a falar nisso assim que chegamos ao restaurante e as coisas foram aquecendo ao longo do jantar...

dada a nossa posição na mesa, ou seja, eu ao lado do Luís e a Sofia ao lado do Simão, permitiu algumas ousadias... a minha mão a passar na perna do Luís... o cruzar de pernas, lento, e propositadamente a mostrar a coxa.... depois acabei por revelar que não tinha cuequinhas! quando lhes disse, o Luís fez questão de comprovar... pôs a mão na minha coxa e foi descendo lentamente até ter a certeza que não estava a usar nada.... claro que aproveitou para sentir o meu calor.... e pôr-me louca!!! não sei se alguém reparou no restaurante.... mas fiquei tão excitada que me esqueci que estavamos num restaurante!

enfim, as coisas foram aquecendo!

acabamos de jantar, passamos pelo carro para ir buscar umas toalhas de praia, que no Verão nunca saem do carro, e dirigimo-nos para o areal.

fomos caminhando ao longo da praia e quando chegamos a uma zona suficientemente afastada do restaurante, subimos para a zona das dunas.

deitamo-nos em cima das toalhas e ficamos ali os 4 a conversar e a contemplar as estrelas... a noite estava fantástica... quente e calma...

claro que a calmaria não durou mt! passados poucos minutos comecei a acariciar a Sofia... a sentir o peito firme... a barriguinha descoberta.... bem, em pouco tempo ela estava em cima de mim....


beijamo-nos e acariciam-nos (adoro os beijos quentes e humidos dela e a forma como acaricia o meu corpo!! só de pensar fico excitada! )


tirou-me o vestidinho branco... os beijos foram descendo pelo pescoço.... mamilos... trincou, chupou e bricou com eles, como se fossem chupas!
não satisfeita, desceu, desceu com a lingua até me pôr a gemer como uma louca, a contorcer-me de prazer....
entretanto acabou por se despir toda e começou a esfregar-se em mim... esfregamo-nos uma na outra até nos virmos...

o Simão e o Luís, excitados com o cenário, despiram-se e agarraram-nos, cada um com a sua mulher, e penetraram-nos, ao mesmo tempo, lado a lado, de quatro.
gememos, suamos e gritamos, os 4 debaixo daquele céu estrelado, com as ondas a acompanhar o ritmo frenetico....

tão bom...

27 Agosto 2007

noite a quatro

estivemos novamente com a Marta e o Rui.

chegaram a nossa casa estavamos nós na sobremesa.

não deu para virem jantar mas ainda provaram os petit gateau's

saboreamos o chocolate quente e refrescamos com champanhe, espalhados pelos sofás...

como o ambiente estava quente fomo-nos pondo mais à vontade.... com menos umas pecinhas de roupa...

estivemos um bocado a conversar, acompanhados por uns video-clips hot hot p ir dando ambiente....

a minha mão a passar pela coxa do Rui...

um dedo a subir pelo meu braço e a descer pelas costas meias despidas do meu top...

um beijo no ombro da Marta seguido de um olhar entre ela e o Simão...



e as coisas vão aquecendo assim



em pouco tempo estamos quase sem roupa, envolvidos os quatro, a sentir os corpos, os aromas dos perfumes, o toque macio da pele....



e a imagem imagem que não me sai da cabela... a Marta de joelhos no sofá, com o rabo empinado para nós.... moreno, só com um pequeno triangulo clarinho entre as nádegas rijas.... bem... de qualquer um/uma ficar a ferver....

pus-me atrás dela, a sentir as nádegas nas minhas mãos, a sentir as coxas quentes, as costas e a cintura definida... que corpo meu deus!

beijei, acariciei, passei a lingua.... no início eles os dois assistiam.... com um sorriso rasgado... depois senti um deles, que por momentos nem sabia qual era, atrás de mim...

começou a fazer-me o mesmo, a passar as mãos, a língua, os lábios pelo meu corpo. fiquei louca de prazer....

um pouco depois ela virou-se para mim e beijamo-nos... beijos quentes e molhados, com o Rui ainda por trás de mim e o Simão ao lado dela... senti o corpo dela, quente, a ferver....




um pouco depois virei-me para o Rui e a Marta para o Simão

rolamos para o chão e envolvemo-nos no tapete... ora eu por cima dele a cubri-lo de beijos e a sentir o seu corpo com os lábios e a lingua, ora ele por cima de mim, a beijar-me, a trincar os meus mamilos, a lamber a minha barriga, as minhas coxas, a sentir o meu calor....



o tempo passa a voar quando estamos assim... envolvidos....

olhamos para o relógio e são quase 6h!

cheios de fome vamos petiscar qualquer coisa antes de ir dormir... para repor as energias... eles ficam cá a dormir, por isso o fds ainda não acabou....







23 Julho 2007

no clube



no fds fomos ao clube

estava cheio.... mta gente, mt calor....
acho que fazem de propósito! não põem o ar condicionado no máximo só para ficarmos cheios de calor! assim acabam todos por tirar a roupa... começam os corpos a tocar uns nos outros.... e as coisas acabam por aquecer ainda mais!

a musica estava optima. dançamos os dois durante bastante tempo
pelo meio chegaram os nosso amiguinhos e fomos começando a dançar com eles .... primeiro com uma, depois com um, outras vezes com duas ou três ao mesmo tempo...
Adoro a cumplicidade entre nós, a forma como dançamos umas com as outras, e vamos passando de uma para outra, com caricias e beijos quentes pelo meio.
mas quando danço com um dos meninos também é bem quente.... normalmente eles são bem mais descontrolados... coitadinhos... n conseguem resistir às provocações.... é a perna q roça... o braço que percorre as costas, pescoço, cabelo.... para voltar a descer e sentir os gluteos, duros com tanta tesão. depois dançamos uma musica daquelas de enrolar... roço o mau rabo rijo nas coxas dele.... lentamente, ao som da musica... depois viro-me, e a olhar olhos nos olhos, enfio a perna dele no meio das minhas e vou descendo e balançando ao som da música.... com as pernas bem apertadas.... para ele sentir o calor.... depois é a lingua que passa atrás da orelha.... o lábio que leva uma trinquinha ao de leve.... hhuummm
passamos umas 3 horas nisto.... bem quentes...




acabamos por ir para um dos quartos.... todos.

continuamos todos envolvidos.... mas acabamos cada um com o seu par.... ao seu ritmo.
no clube não nos dá pica para mais... é demasiado exposto....

no fim da noite fica aquela sensação de noite bem quente.... mas se tivesse sido em casa ou num motel poderia ter ido mais longe....

p a próxima :)

16 Novembro 2006

como começar....


depois de falarem bem no assunto...

- criem o vosso "nick", o nick do casal. Algo que vos defina como casal... pensem bem nisso ;)

- entrem em sites tipo http://www.sexymsn.com, onde se podem credenciar como casal, mostrar o vosso perfil, os vossos interesses e conhecer novos casais.

- teclem no msn c mta gente....

- usem a webcam p saber se é mm casal e qual o aspecto deles...

e divirtam-se mt!!!!

14 Novembro 2006

ai se eu conseguisse ler pensamentos....

Swing... um tema muito na moda ultimamente...

Tenho verificado que nos últimos tempos se tem falado mt de swing... é na novela da TVI, são reportagens em revistas (Nova Gente de há duas semanas) e mts das pessoas "fora do meio" com quem nos relacionamos.
Constatamos que há mta curiosidade... que as pessoas falam nisso entre elas...
mas têm sempre a pesar por cima das suas cabeças o tabú da sociedade... pois, pq o sexo é uma coisa feia!
Há os que defendem que o sexo só serve para procriar...
depois os que dizem q não e tal, que até gostam de sexo, com as respectivas esposas... e com as gajas com quem mandam uma de vez enquando! Mas isso não conta! Ninguém sabe nem ninguém tem nada a ver com isso!! Pq o sexo é só c a mulher q têm em casa, e atenção! homem por cima e mulher por baixo de perna aberta! Sexo oral e coisas porcas dessas só c as outras! Mas isso ninguém sabe nem ninguém tem nada a ver com isso!!
Depois também acho piada àquelas mulheres frustadas que n sabem o que é ter prazer, o que é sentirem-se desejadas e sensuais e que defendem os maridos e os "bons costumes"... quando na realidade, estão a dizer isto e os maridos a olhar para o granda par de mamas que a amiga dela tem e a imaginar como era bom estar a chupá-las. Mas isso não interessa! Pq ninguém sabe!!!
E se voltassemos ao tempo dos nossos avós em que só havia sexo depois do casamento? Em que os parceiros nunca se despiam nem faziam sexo À luz do dia?

Enfim... no fundo isto tudo dá-me vontade de rir... :))

Não pensem que eu defendo que todas as pessoas deviam ser swingers! Nada disso! Sou da opinião que se um casal é feliz sem "outras aventuras", se não quer acrescentar "novas emoções" e intensidade à relação, então que se deixe estar! Cada um sabe de si.
Mas defendo que as pessoas devam ser livres! Livres dos preconceitos que as mãezinhas lhes enfiaram na cabeça! Livres dos tabus ridículos que a sociedade tenta impor!!!
Defendo que as pessoas tenham ideias próprias e que ganhem opiniões por elas!

Sejamos realistas! Quantos maridos/mulheres se podem dar ao luxo de dizer que sabem quais as fantasias do seu companheiro/a?? Que o satizfaz completamente e q ele n pensa em ter aventuras c outras??? E quantas esposas/maridos fazem parte da fantasia do companheiro/a??

fica a pergunta no ar....
Bjs

31 Outubro 2006

Quero mais noites assim! :)


A noite passada foi um espetáculo! :) Fomos ao B4 com um casal amigo. Lá encontramos mais uns quantos casais conhecidos com quem dançamos, conversamos... o normal. Por volta das 4h da manhã viemos embora com os nossos amigos... o Rui e a Clara, de volta para o hotel onde ficamos hospedados. Pela minha cabeça só passava imagens do que poderia acontecer no hotel... quem é que ia convidar quem e de que forma... Assim que chegamos aos quartos, que por acaso eram lado a lado... o Simão perguntou se não queriam entrar.... :)) claro que disseram que sim! Depois de horas de danças sensuais e provocadoras no clube, só podia! Fomos os quatro para o nosso quarto. Acendemos as velinhas que já tínhamos espalhadas por todo o lado para tornar o ambiente mais quente. Não é que já não estivesse ao rubro!! Em poucos segundos começamos os quatro aos beijos e amassos.... Eu e ela, eles a acariciar os nossos corpos.... A Clara é tão quente.... tão sensual... Tem um corpo fantástico! Um peito de capaz de por qualquer homem ou mulher a babar! Não por ser enorme… nada disso… mas porque têm o tamanho certo, são macias como veludo e são deliciosamente rijas… huummm… Adorei voltar a estar com ela… pelos motivos que já descrevi e porque é um vulcão autêntico. Com uma sede enorme de prazer… Depois de brincarmos durante um bom bocado viramo-nos para os homens. Eu com o Rui e a Clara com o Simão.... O Rui é homem… lindo, quente e excitante como poucos. Infelizmente há poucos homens assim no swing. A maioria são gordos, velhos e sem qualquer capacidade de seduzir e excitar uma mulher… eu defendo que um homem para dar verdadeiro prazer a uma mulher n tem q ser lindo… mas tem que saber dar prazer… seduzir… provocar… saber o que a mulher quer. Mas continuando na noite de ontem… Com o Rui foi muito bom… os beijos, o sentir o corpo dele, as mãos dele a percorrer o meu corpo nu, as minhas a percorrer o dele… sentir o quanto estava excitado… bem… e ao mesmo tempo ver a Clara com o Simão… a gritar de prazer… Acabamos por nos embrulhar os 4 na cama, o que tornou as coisas ainda mais quentes… estar com o Simão, a Clara e o Rui ao mesmo tempo… sentir o calor deles a percorrer a minha pele, o meu corpo… saborear os corpos deles… um a um… Bem… a noite foi de facto muito, muito quente…

24 Outubro 2006

-- artigo sobre swing --

Desta vez vou copiar aqui para o meu diário um estudo feito nos Estados Unidos sobre swing.
Talvez possa ajudar alguém meio duvidoso sobre o que é o swing e os seus efeitos na vida do casal.
Bjs

Scientific research on swingers in the USA has consistently found that swingers have better pair-bonds than monogamous couples.
The most recent and most thorough research found swingers are happier in their relationships than the norm. 60% of swingers said that swinging improved their relationship and only 1.7% said it made their relationship less happy.
Half of those who rated their relationship very happy before becoming swingers maintained it had become even happier. 90% of those with less happy relationships said swinging improved them.
Almost 70% of swingers claimed no problem with jealousy, around a quarter admitted to some jealousy but only 6% said it was very much a problem.
Swingers rate themselves happier (59% against 32% very happy) and their lives much more exciting (76% against 54% exciting) than does the rest of the population, by surprisingly large margins.
There was no difference between the responses of men and women. Hard to believe?
This study - Bergstrand & Williams - was carried out in 2000 by a private Catholic university in the USA with an upper middle-class conservative reputation.
Earlier research going back over 30 years broadly confirms the same conclusions. So far no published research has validated popular misunderstandings about swinging or the prejudices of the bigots.
Authoritative estimates place the rate of serious relationship problems caused by swinging at between 2% and 6% of participants.
Comparing this with the 70% failure rate of first-time marriages and the high break-up rates of other monogamous relationships, it is tempting to conclude that relationship breakdown is essentially a phenomenon of monogamy.

19 Setembro 2006

Noite de descobertas

Esta noite foi intensa.... mais uma a juntar às noites fantásticas de sensações fortes que temos tido.
Foi a primeira vez que swingamos com a Vanda e o Claudio. Depois de um jantar delicioso, regado por uma sangria fresca, aromática e bem doce, sentamo-nos à conversar no chão da sala, em frente à lareira, como já tínhamos feito variadíssimas vezes.
Eu entre a Vanda e o Claudio, e o Simão ao lado da Vanda... conversamos, bebemos gin-tónico e whisky, fumamos...
Isto com as provocações típicas pelo meio.... um toque na perna, um passar de dedos ao de leve pela nuca, pela omoplata, atrás da orelha..., os olhares tentadores e lascivos no meio de uma conversa sobre receitas de sobremesas, viagens de fim-de-semana e outros assuntos banais.
No meio de uma conversa sobre uma viagem, com o Claudio a acariciar-me o pescoço, olhei para ele de uma forma mais intensa… a sua proximidade foi fatal. Beijamo-nos lentamente… um beijo quente e húmido. Quando reparei, o Simão e a Vanda também já se estavam a beijar. Senti a boca do Claudio.. Saboreie a boca da Vanda...
Envolvemo-nos os 4 de uma forma muito intensa.... em busca do prazer...
Foi muito bom descobrir os corpos deles... saber de que forma gostam de se tocados, acariciados... qual o seu ritmo.
Rolamos pelo chão da sala, pelo sofá... sentimos as paredes frias nas costas e na cara....
Passamos pela banheira para refrescar mas acabamos por lá ficar os quatro mais um tempão. Adoro brincar na banheira... os corpos deslizam tão bem.... tão fluido, tão macio.... huummm...
Bem, quando demos por ela eram 4 da manhã! A um dia da semana com trabalho no dia seguinte!
Lá nos despedimos, cada um com um sorriso maior que o outro. Os nossos novos amiguinhos foram embora e nós fomos directamente para a cama, queimar a excitação que ainda havia a percorrer a nossa mente. É incrível a excitação que se tem, depois de horas tão intensas de sexo. Quer dizer… por serem tão intensas é que depois ficam na nossa cabeça por tanto tempo, alimentando o nosso imaginário e desejando repetir tudo aquilo mais uma vez….

13 Agosto 2006

Noite quente....

Chegamos agora de uma noite quente... em todos os sentidos... quente pelo calor que está a e pelo calor que sentimos dentro de nós.
Jantamos em casa de uns amigos "especiais". Como sempre um jantar normalíssimo, mas com as conversas sem tabus do costume, os olhares e as bocas provocantes de sempre.
Depois de jantar fomos a um bar de GLS, dançar, beber uns copos, ver uns espectáculos de Drag-queens, travestis e strip. Algo que gostamos bastante de fazer.... Frequentar bares e clubes onde não há tabus, onde as pessoas se podes expressar como querem, sem serem olhadas de lado, quer pela sua forma de estar, quer pela sua forma de vestir.
Depois do bar fomos até casa deles, porque tínhamos lá deixado o nosso carro. Perguntaram-nos se queríamos subir e é claro que dissemos que sim… era o que mais queriamos naquele momento.
Já em casa deles, os rapazes foram fazer umas caipirinhas e eu e a Raquel fomos para o terraço conversar. Eu estava deitada na rede e o Marco veio-se deitar ao meu lado, com as caipirinhas, doces e frescas. O Simão e a Raquel ficaram num cadeirão mesmo ao nosso lado. Conversamos, rimos... O ambiente estava fantástico… velas acesas, musica calma, o calor e o cheiro das noites quentes de verão…
Não demorou muito para que nos começássemos a beijar e sentir os corpos juntos, quentes e a arder de desejo. Ficamos um bocado assim… eu com o Marco e a Raquel com o Simão, a matar um pouco a ânsia que sentíamos já desde o bar, onde dançamos os quatro de forma provocante e sensual.
Pouco depois fomos para a sala, os quatro. Eu e a Raquel envolvemo-nos em beijos cheios de sofreguidão, deitamo-nos no chão e deixamo-nos guiar pelos nossos instintos, em busca de prazer… percorri o corpo dela com as minhas mãos... senti o sabor da sua pele, o cheior do cabelo... dei-lhe prazer e deixei que ela me desse a mim... algum tempo depois envolvemo-nos os quatro de uma forma louca e lasciva.

Ao fim de algumas horas de deleite e exaustos, fomos embora… despedimo-nos com beijos carinhosos e saímos de lá cheios de vontade de repetir…

Tanto calor para uma só noite.....

12 Julho 2005

A 1ª noite num clube swing...


Fomos pela 1ª vez a um clube de swing - o Afrodizia, no Porto.


Começamos a noite com um jantar, num restaurante muito simpático, no centro do Porto, com a Marta e o Artur. Foi giro conhece-los melhor. Na primeira vez que tomamos café com eles ficamos um bocado chocados com a forma deles de encarar o swing, como já descrevi... mas decidimos dar-lhes uma segunda oportunidade, e a nós também:) até porque estamos cheios de vontade de conhecer mais gente, conhecer os clubes, etc.
Durante o jantar fartamo-nos de falar disso mesmo: swing, troca de casais, clubes de swing, como as coisas funcionam. Foi mt bom para nos dar umas luzes. Só por isso já passamos a gostar mais deles. É incrível a sensação que se tem ao podermos falar de tudo, sem tabus, e pensar que as pessoas que nos rodeiam nem imaginam as nossas conversas!
Do restaurante fomos para o Afrodizia, o clube de swing do Porto. Estávamos muito ansiosos... como vai ser... como será aquilo... como serão as pessoas...
Os casais eram normalíssimos... algumas mulheres vestidas (ou despidas :) ) com lingeries... outras vestidas normalmente. Grupos a conversar, uns de pé outros sentados em pufs... outras pessoas a dançar. Claro que tudo com um envolvente bastante quente... pouca luz... cores quentes e fortes... quadros sugestivos...
Claro que houve muita gente a olhar para nós e a "tirar-nos as medidas" mas isso deve ser normal, num clube destes :). Fora isso não nos sentimos deslocados ou ameaçados, como eu pensava que ia ser...
Bebemos uns copos e dançamos bastante. Algum tempo depois de estarmos os quatro a dançar, a Marta aproximou-se de mim... começamos a dançar uma musica do regaton bastante juntas... a roçarmo-nos uma na outra, como a música pede. Foi mt excitante.... sentir o peito dela contra o meu... a perna dela no meio das minhas pernas... muito quentes.... a transpirar de calor e desejo... foi mt, mt excitante.
Quando a musica acalmou sentamo-nos numa "cama" ao lado da pista de dança. Foi quando nos começamos a beijar. O meu primeiro beijo, a sério, a uma mulher!! Adorei, adorei :))
Lambuzamo-nos as duas... Um pouco a medo senti pela primeira vez o corpo de uma mulher... passei as minhas mãos pelo peito dela... pela barriga... pelas pernas... apalpei-lhe o rabo. Foi mt excitante sentir as suas nádegas rijas nas minhas mãos.
Claro que não estava completamente à vontade... estávamos num clube se swing pela primeira vez... por isso acabei por estar um pouco retraída e não avancei mais nem deixei que ela avançasse.
Fomos para um dos quartos do Clube. Assim que entramos e fechamos a porta, eu e ela continuamos o que estávamos a fazer lá fora. Beijamo-nos intensamente, apalpei o corpo dela e fomos tirando a roupa uma da outra.
Foi então que os nossos homens se foram chegando a nós… coitadinhos… estavam só a olhar há algum tempo, cheios de vontade de provar um bocadinho J
Cada uma de nós com o seu respectivo, deitamo-nos na cama XXL e enrolamo-nos, cheios de desejo… pelo meio eu beijava-a e ela a mim. Ao mesmo tempo que beijava o Simão, passava a mão pelo corpo dela. No meio dessa confusão toda, e com o Simão ao meu lado a beijar-me senti a Maria a beijar-me a barriga… beijou, lambeu… apalpou-me… mas não passou mt disso. Ela é mulher e percebeu que para uma primeira vez era melhor ficar por ali… mas foi o suficiente para eu ficar louca. Assim que ela saiu de cima de mim, saltei para cima do Simão e contorci-me em cima dele, até ele não aguentar mais e acabar todo aquela loucura.
Como eu não mostrei muita há vontade para estar com o Artur, ele praticamente não me tocou. Foi melhor assim. Não sei se por ser ele, ou se por ser a primeira vez que estávamos com um casal, não me sentia à vontade para estar com ele.

adorei a experiência....

foi tão excitante que quando chegamos a casa fizemos amor durante horas, com imensa tesão....

09 Fevereiro 2005

Swing // Troca de casais - as primeiras conversas...

Todos nós temos fantasias.... mas só quando se tem muita confiança e cumplicidade é que se fala de tudo com o parceiro.
Ao fim de vários anos de relação eu e o Simão atingimos esse nível de intimidade. Eu falava-lhe do meu desejo por outras mulheres e por outros homens e ele falava-me da sua grande vontade em estar comigo e com outra mulher…
Foi por estes motivos que começamos a ver o que “andava” pela net. O que não faltava eram mulheres loucas por aventuras. O problema é que a grande maioria são, de facto, homens…
No meio das pesquisas, em sites liberais, surgiu o swing ou troca de casais.
Começamos a falar do assunto, da hipótese de estar com um casal, de ir a clubes de swing…
No início fiquei um bocado preocupada. Imaginava um clube como um grande bacanal, e que se fossemos lá éramos logo assediados e forçados a entrar na onda… mas a curiosidade era muita e o desejo de estar com outras pessoas era maior que o medo…

fomos e nunca mais quisemos outra coisa....
só que expeirmenta percebe a sensação

25 Junho 2004

-- artigo sobre swing --



Verifica-se ultimamente, por parte da comunicação social, um crescente interesse quer pelo "swing" quer pelos swingers. Veja-se como exemplo o último artigo saído a público, na revista "Focus", edição nº 103, assinado por Nuno Perestrelo, Paulo Caetano e Rita Garcia.Talvez por ser um tema ainda polémico na sociedade portuguesa, ser matéria vendável ou ainda, como em alguns casos se pode subentender, por poder estarem associados outros dividendos que não o swing, nunca até à data estes artigos se basearam em bases sólidas de conhecimento e imparcialidade jornalística, originando dessa forma que o produto final não seja mais que uma narrativa de perfeitos disparates. Até se entende o interesse jornalístico pela matéria como meio de informação, no entanto, informação não é sinónimo de desinformação!!!... E quando se escreve qualquer matéria, nomeadamente sobre este tema, convém que os seus autores façam um trabalho sério no levantamento prévio do seu historial e ainda, de bases que sustentem tais escritos. Os swingers não se insurgem que se faça um trabalho capaz sobre swing, não gostam é de ver um assunto que lhes toca directamente ser colocado publicamente das formas levianas como se tem verificado. Ou se é ou não capaz e quando não se é, simplesmente... abstenham-se.Analize-se pontualmente: O swing, conforme pode ser consultado em inúmera literatura e sites pela net, sendo este mesmo um bom exemplo nos textos que possui, não teve a sua origem nem foi batizado na década de 60. A palavra swing, como definição para troca de elementos entre casais, aparece já em escritos de 1928 (Vidas - H.O. Jones), e o swinging é tão velhinho que, embora não como hoje, já remonta a pelo menos 3.000 a.C. Em portugal, de facto o swing propagou-se de norte para sul mas, não como também foi descrito.Contando a verdadeira história:Um casal estrangeiro comprou uma quintinha no "distrito de Viana do Castelo" (não em Viana do Castelo) e optou pelo nosso país para viver. Isto remonta à cerca de 40 anos. Como meio de fuga ao desterro onde então a dita quintinha ficava situada, para convívio e também tendo como objectivo o ficarem a conhecer a comunidade que os cercava, organizavam festas com alguma assiduidade. Numa destas festas ficam muito amigos de mais dois casais da região e em determinada altura, em conversa, abordam as fantasias sexuais. Como se subentende, mais tarde a conversa deu origem à prática.Foi ainda bem mais tarde que o grupo dos três casais cresce iniciando-se, por casualidade e não por opção, jantares em determinados restaurantes do distrito onde eles conviviam alegremente, sempre com o cuidado de não deixarem transparecer nada para o exterior. Os jantares cresceram tanto no número de entusiastas como no número dos grupos, a saber... ainda hoje se relizam.Relativamente aos locais de encontros, os apontados são muito recentes e de modo nenhum correspondem à sua totalidade. Existem inúmeros espalhados por todo país e onde se destacam, só no circuito do Porto uns 6, mais para norte 8, norte interior 2, centro 1 e sul 7. Destes números apontados, os mais antigos são 3 no norte e existem à mais de 14 anos. Sobre o referido bar em espanha, só muito raramente aparece alguém do norte, ao contrário do que foi afirmado. A nível nortenho, isto com conhecimento de causa, os swingers optam pelos locais da região ou, também muito muito frequentes, quase semanais, por festas particulares. Sobre à classe social que compõe os swingers, mais uma vez o afirmado não corresponde à verdade. Esta vai desde o simples operário à classe política. As diferenças económicas, na convivência entre estes swingers, nunca teve qualquer importância. Mais, no convívio os swingers já com alguma experiência e maduros no assunto, evitam abordar temas como: trabalho, problemas económicos e política, evitando assim que não hajam focos de discórdia e passiveis de fomentar maus ambientes. Finalizando: - A descrição é algo que eles defendem e prezam por razões óvias. Mesmo os casais novos que manifestam interesse em se associar, são muito estudados pelos restantes, sendo factores imprescindíveis o caracter, higiene, o cuidado com a saúde e, mais concretamente, a certeza da manutenção na insenção de doenças infecciosas como a sida.- O número apontado de 100 casais swingers portugueses não poderia estar mais longe da verdade ... muito mais que esse número existe só na zona norte do país. Um pouco de história:Ao longo da história, como podem ler quer em textos existentes neste próprio site quer como em inúmeras obras literárias, o sexo e a espiritualidade nunca foram bom parceiros de cama. Enquanto algumas religiões da antiguidade (e não só) incluem a sexualidade nos seus ritos, outras procuram controlá-la ou, ainda mais grave, levá-la para o campo do obscurantismo.Por volta de 3.000 a.C., os Sumérios encenavam ritualmente o Casamento Sagrado - a união entre uma sacerdotisa da deusa Inanna e um sacerdote-príncipe, como meio de obter favores da deusa para as suas cidades.Na Grécia esse tipo de sexo ritual teve continuidade e era chamado de "Hiero gamos", que consistia na tradicional reconstuituição do cassamento da deusa do amor e da fertilidade com o seu amante, o jovem e viril deus da vegetação. Existem várias fontes antigas que sugerem que este tipo de práticas também deveria fazer parte dos mistérios de Eleusis, dedicado à deusa Deméter, existindo ainda evidências de que este rito também fosse praticado pelos Egípcios no culto a Ísis e que tenha permanecido até à era Romana.Ainda e no Médio Oriente, também era comum a prática da prostituição sagrada, pela qual os homens visitavam templos, onde tinham relações sexuais com o objectivo de comungar com uma deusa em particular. A prostituta sagrada encarnava a deusa, tornando-se assim responsável pela felicidade sexual, "a veia através da qual os rudes instintos animais são transfromados em amor e na arte de fazer amor" (A prostituta Sagrada - Editora Paulus).Antes do Swing ... (Trabalho feito por Amora e colhido do antigo site do swplace)O sexo foi desde sempre um vínculo natural: comemos quando temos fome e ficamos satisfeitos, dormimos quando estamos cansados e acordamos refeitos, mas quando alcançamos um orgasmo experimentamos um êxtase físico e mental completo. Daí que para os nossos antepassados considerarem esses sentimentos oriundos dos Deuses e usá-los para comunicar e adorar esses mesmos Deuses foi um passo óbvio.As pinturas rupestres não deixam dúvidas de que desde a pré-história as tribos usavam o acto sexual nas suas celebrações ritualísticas. Testemunhavam a sua reverência ao útero, à fertilidade das mulheres, e à sua capacidade de gerar a vida. O sexo era algo de mágico, supremo, o elo de comunicação entre a humanidade e algo superior.Quando o homem percebeu que o falo erecto, fonte de tanto prazer pessoal, era, na verdade, parte altamente poderosa e importante em todo o ciclo de fertilidade começou a manobrar a grande virada do sistema matriarcal, em que o útero era a cálice sagrado, para o sistema patriarcal, transferindo o culto do útero para o culto do falo. Assim o homem e a natureza iam celebrando a fecundidade da terra, em rituais de sexo, nascimento e nova vida. Homens e mulheres participavam na exuberância da natureza ao ansiarem unir-se e reproduzir-se.Aproximadamente dez anos antes de Cristo, de acordo com Heródes, as jovens esposas da Babilónia adoravam a deusa Mylitta indo ao seu templo pelo menos uma vez na vida fazer sexo. Os gregos celebravam também as suas festas de sexo com expressão a nível nacional, chamadas: Afrodisia, Dionysia, e Lenea. Em todas elas a população fantasiava-se, marchando pelo campo e pela cidade até altas horas da noite, altura em que se iniciavam as orgias pelas ruas. Os povos aborígenes do Taiti e da Ilha Vakuta tinham inúmeros lugares próprios para a pratica de sexo em público.Intrigantemente nestas sociedades a abundante veleidade sexual e a escassez de comida levava as pessoas a praticar sexo em público e a comer as suas refeições em segredo.No reino de Augusto César, centenas de Romanos membros do culto Bacchus celebravam orgias nunca menos de 5 vezes por mês. Mesmo depois da queda de Roma a Europa pagã continua alegremente a praticar rituais de orgias, em festivais como “Beltane” e a “Festa dos Tolos”.Só com o surgimento do Cristianismo e dos discursos sobre a moral estas manifestações expontâneas de sexo começam a ser reprimidas. Podemos, talvez, definir como marco da primeira tentativa de regular a sexualidade, o episódio em que Deus aparece a Abraão, ordenando-lhe que levasse a sua mulher, Sara, e seu sobrinho Lot para Canaan, terra que lhes oferecia para fundarem uma grande nação. Canaan, conhecido agora como Terra Santa, já estava habitada por povos em que abundava a luxuria e o sexo, e eram vistos como reles pecadores contra o Senhor, e portanto eram, menos merecedores do território do que os novos chegados da Babilónia. Em troca de Canaan, contudo, Deus requereu um sacrifício a Abraão e aos seus seguidores: o corte duma parte do pénis em circuncisão, como mensagem original de que o sexualidade é propriedade do poder moral ao qual se deve obedecer. Desta forma Deus deu a primeira lição sobre a moralidade usando-a como justificação e inspiração para a invasão e conquista do território. Mas é na Idade Média que se vai construir a visão mais negativa de sempre sobre a sexualidade, assente no primado da virgindade. Como justificação para a “permissão” da prática de sexo a generalidade dos padres admitiam, a custo, a procriação como único e essencial fim do casamento. Vejamos o testemunho de alguns Santos Padres: S. Paulo “O casamento serve de refúgio sobretudo para aqueles que não são capazes de se manter em virgindade. O casamento é bom; e a virgindade é portanto ainda mais admirável, pois é ainda melhor. Clemente Animado pela repulsa que atravessa toda a igreja antiga, vem dizer: “É preciso limitar o acto sexual, proibindo-o em numerosos dias: domingos, dias de festa, dias santos, durante o dia, etc.... S. Geronimo “A virgindade permite total consagração ao serviço de Deus na pureza do espirito e do corpo. O casamento é tão só tolerado, mais vale casar-se do que arder, do mesmo modo que mais vale perder um olho do que perder ambos os olhos”. Com o desenvolvimento da teologia judaica e cristã, foi surgindo um código ético limitando moralmente as actividades sexuais aceitáveis no leito matrimonial, sendo pecaminoso qualquer desvio desta limitação. Contudo, a partir do século XVIII, há uma proliferação de discursos sobre o sexo. Foi a Igreja Católica, com a Contra Reforma que deu inicio ao processo de incitação dos discursos sobre sexo ao estimular o aumento das confissões ao padre. As “insinuações da carne” têm de ser ditas em detalhe, incluindo os pensamentos sobre sexo. O bom cristão deve procurar fazer de todo o seu desejo um discurso. E parece que desta forma surgia um novo prazer.... O prazer de ouvir e o de contar!No inicio do século XX, deu-se uma revolução na forma como as mulheres se viam e insistiam em ser vistas pelo homem. Pela primeira vez pedem a igualdade em todos os aspectos da vida, quebrando todos os papeis estereotipados. A introdução dos meios eficazes de controle da natalidade e a independência económica que ela conquista, fazem-na tomar consciência do seu corpo e da revelação de inúmeros prazeres.... Esta nova realidade vai desencadear por volta dos anos 60 uma verdadeira revolução sexual nos Estados Unidos. Nos anos sessenta o sexo passa a estar na moda, surgem máximas como “Sex Machine”. Vagina e pénis eram utensílios dos quais não se deve ter medo nem reprovar. Não havia lugar para as inibições. Na década de setenta surgia um forte movimento de reivindicação de relações extra conjugais entre casais.Em 1975 o psicólogo Lake escreve “Não há dúvida que a vida de uma grande proporção de homens e mulheres casados se tem visto enriquecida graças a relações sexuais secretas”. Jorge O`Neill acrescenta “A fidelidade sexual é o falso Deus dos matrimónios tradicionais.” A ideia subjacente a esta prática é que a verdadeira fidelidade consistia em admitir e pôr em prática as mais secretas fantasias sexuais, compartilhando-as com o seu par, mesmo quando elas passam pela alternativa de manter relações sexuais com outras pessoas. Os que admitem esta possibilidade designam-se por Swingers. Estas experiências de grupos com troca de casais apresentam certas regras:1. A simples troca de casais entre quatro pessoas, heterossexuais, que apenas compartilham o seu par por um período determinado, respeitando a privacidade.2. Quatro pessoas que mantêm relações sexuais no mesmo espaço físico, podendo haver combinações eróticas, que dependem da imaginação, mas apenas incluí relações homossexuais femininas.3. Triângulo, no geral formado por um homem e duas mulheres, embora seja comum incluírem também outro homem.4. Reuniões onde se pratica sexo em grupo heterossexual e homossexual.Em todas estas variantes existe uma restrição comum, não deverão haver relações sexuais com outras pessoas fora do jogo consentido entre o casal.SWINGNesta conjuntura poder-se-á entender que o Swing não é nada historicamente irregular. Talvez seja, antes, algo correctamente invulgar... É mais um movimento que surge como evolução natural da expressão da sexualidade humana, tendo como fundamento o envolvimento sexual em grupos, orgias, e à de troca de casais, prática esta que tem sido historicamente mais discreta. É uma forma de convívio sexual entre adultos, casados, ou pelo menos com uma vida em comum, que decidem pôr de lado as inibições para explorar a sua sexualidade, dando vida ás fantasias, compartilhando a sensação de inúmeros prazeres novos com o seu par.Sendo o Swing antes de mais uma actividade social, os hábitos de cortesia não são diferentes de outro tipo de encontros sociais. A delicadeza é muito importante, assim como o tacto para perceber se há reciprocidade da outra parte. Se não sente vontade de estar com certa pessoa, e ela ainda não o entendeu, diga-lho de forma delicada. A outra pessoa apenas terá de aceitar educadamente o seu não, e sobretudo não perguntar porquê para evitar situações embaraçosas.Para quem se inicia no Swing existirão certamente algumas dúvidas e receios. A boa comunicação e entendimento entre o casal é fundamental, para definirem, e manterem em mente o que pretendem na sua relação Swinger. O Swing tende a funcionar bem quando é encarado como um incremento à relação sexual do casal e não como o salvamento para um casamento problemático, pois é importante lembrar que o sexo tende potencialmente a ser uma área emocional, e o prazer que se pode encontrar no Swing geralmente apenas é alcançado quando ambos estão atentos ás necessidades de cada um, e colocam o conforto do seu parceiro em primeiro lugar.Provavelmente será mais fácil iniciar o seu relacionamento neste meio conhecendo primeiro um casal que depois vos possa apresentar a outros. Quando estiver com outros casais, lembre-se que é importante manter-se perto do seu parceiro e ir prestando-lhe pequenas atenções, para que o seu par não se sinta abandonado, inseguro, ou ciumento. O Swing pode assumir várias formas ou modalidades, seja qual for a escolhida estará tudo bem enquanto o casal estiver em sintonia e certo de que está a fazer o que realmente pretende.


artigo mt interessante, integralmente copiado do site: http://swplace.home.sapo.pt/swinging/artigo3.htm